sábado, 24 de dezembro de 2011

NATAL CONSCIENTE

o Natal feliz? por Rubem Alves

Natal me deixa triste. Porque, por mais que o procure, não o encontro. Natal é uma celebração. As celebrações acontecem para trazer do esquecimento uma coisa querida que aconteceu no passado. A celebração deve ser semelhante à coisa celebrada.

Não posso celebrar a vida de Gandhi com um churrasco. Ele era vegetariano, amava os animais. Uma celebração de Gandhi teria de ser feita com verduras, água, leite e um falar baixo. Mais a leitura de alguns textos que ele deixou escritos. Assim Gandhi se tornaria um dos hóspedes da celebração.

Agora, um visitante de outro planeta que nada soubesse das nossas tradições, se ele comparecesse às festas de Natal, sem que nenhuma explicação lhe fosse dada, ele concluiria que o objeto da celebração deveria ser um glutão, amante das carnes, bebidas, do estômago cheio, das conversas em voz alta, do desperdício.

Nossas celebrações de Natal são como as cascas de cigarra agarradas às árvores. Cascas vazias, das quais a vida se foi. Se perguntar às crianças o que é que está sendo celebrado, eles não saberão o que dizer. Dirão que o Natal é dia do Papai Noel, um velho barrigudo de barbas brancas amante do desperdício, que enche os ricos de presentes e deixa os pobres sem nada. Pois é certo que as celebrações do Natal são orgias de ricos, celebrações do desperdício e lixo. Celebrações do lixo? Aquelas pilhas de papel de presente colorido em que vieram embrulhados os presentes, não são elas essenciais às celebrações? Rasgados, amassados, embolados num canto. Irão para o lixo. Quantas árvores tiveram de ser cortadas para que aqueles papéis fossem feitos. Para quê? Para nada. A indiferença com que tratamos o papel de presentes é uma manifestação da indiferença com que tratamos a nossa Terra.

Estou convidando meus amigos para uma celebração de Natal. Ela deverá imitar a ceia que José e Maria tiveram naquela noite: velas acesas, um pedaço de pão velho, vinho, um pedaço de queijo, algumas frutas secas. À volta de um prato de sopa de fubá – comida de pobre –, tentaremos reconstruir na imaginação aquela cena mansa na estrebaria, um nenezinho deitado numa manjedoura, uma estrela estranha nos céus, os campos iluminados pelos vaga-lumes. E ouviremos as velhas canções de Natal, e leremos poemas, e rezaremos em silêncio. Rezaremos pela nossa Terra, que está sendo destruída pelo mesmo espírito que preside nossas orgias natalinas.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

POESIA DO DIA

Papai Noel as avessas

Papai Noel entrou pela porta dos fundos
(no Brasil as chaminés não são praticáveis),
entrou cauteloso que nem marido depois da farra.
Tateando na escuridão torceu o comutador
e a eletricidade bateu nas coisas resignadas,
coisas que continuavam coisas no mistério do Natal.
Papai Noel explorou a cozinha com olhos espertos,
achou um queijo e comeu.
Depois tirou do bolso um cigarro que não quis acender.
Teve medo talvez de pegar fogo nas barbas postiças
(no Brasil os Papai-Noéis são todos de cara raspada)
e avançou pelo corredor branco de luar.
Aquele quarto é o das crianças
Papai entrou compenetrado.
Os meninos dormiam sonhando outros natais muito mais lindos
mas os sapatos deles estavam cheinhos de brinquedos
soldados mulheres elefantes navios
e um presidente de república de celulóide.
Papai Noel agachou-se e recolheu aquilo tudo
no interminável lenço vermelho de alcobaça.
Fez a trouxa e deu o nó, mas apertou tanto
que lá dentro mulheres elefantes soldados presidente brigavam por causa do aperto.
Os pequenos continuavam dormindo.
Longe um galo comunicou o nascimento de Cristo.
Papai Noel voltou de manso para a cozinha,
apagou a luz, saiu pela porta dos fundos.
Na horta, o luar de Natal abençoava os legumes.

Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

CESAR DA HORA...

Cesar da Hora, artista e ser de alma Nõmade, que errou pela cidade Itajaí, professor de Entalhe em Madeira da Casa de Cultura Dide Brandão,

com muita tristeza que informo seu falecimento, sua passagem na noite de ontem, dia 18/12/2011, aos 55 anos, se foi deste mundo, partiu para viver outras caminhadas...

A família de César e amigos comunicam que seu corpo será velado no Cemitério da Fazenda.

A equipe da Casa da Cultura Dide Brandão, está em luto, já que este local escolhido por César durante tantos anos para produzir e compartilhar sua arte, lastima a perda desse grande artista e companheiro de todos.

“Os que morreram na primavera

quem sabe guardarão pra si

na alma ou na lembrança,

o milagre da flor.



Os que morreram na primavera

talvez tenham (os mais sensuais)

um pouco de tristeza

por não poderem ficar, pelo menos

até o verão.



Os que morreram na primavera

nós sentiremos saudades:

uma saudade

como se desfolhássemos uma margarida.

Bento Nascimento
poeta itajaiense

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Fundação Cultural Palmares inaugura Biblioteca no DF

Biblioteca será reinaugurada com acervo de aproximadamente 17 mil itens
Joceline Gomes

Na tarde de hoje (15), a Fundação Cultural Palmares vai inaugurar a Biblioteca Oliveira Silveira e o Arquivo da Fundação em sua nova sede, em Brasília. Na ocasião, também vai ser lançada a Coleção Faces do Brasil – História e Cultura, organizada pela professora Jacy Proença e publicada pela Editora Ética do Brasil, em parceria com a FCP.

Com um acervo de aproximadamente 17 mil itens entre livros, folhetos, periódicos, imagens e CD-ROMs, a biblioteca abrirá suas portas para o público fazer pesquisas e consultar materiais diversos. Especializada em cultura afro-brasileira, o local reúne fotos, pinturas, cartazes e materiais museológicos, como arte quilombola, palharia, cerâmica e telas, que guardam parte da memória negra. Há ainda uma sala de vídeo com espaço para 16 pessoas e terminais para acesso à internet.

A biblioteca foi originalmente inaugurada no dia 20 de novembro de 1998, porém, com a mudança de sede, ficou desativada por alguns meses, e agora será reinaugurada sob o nome Biblioteca Oliveira Silveira, em homenagem a este grande militante do Movimento Negro brasileiro.

Oliveira Silveira – Professor, poeta e militante do Movimento Negro, foi o idealizador do Dia da Consciência Negra, juntamente com o Grupo Palmares de Porto Alegre, ainda na década de 1970. Gaúcho e autor de inúmeros poemas e textos literários, seu primeiro trabalho foi o poema Germinou (1962), tendo ainda publicado: Poemas Regionais (1968); Banzo, Saudade Negra (1970); Décima do Negro Peão (1974); Praça da Palavra (1976); Pêlo Escuro (1977); e Roteiro dos Tantãs (1981).

A Biblioteca Oliveira Silveira disponibiliza a listagem do seu acervo bibliográfico sobre a cultura negra e a história da Diáspora Africana para consulta pública no site: http://biblioteca.palmares.gov.br.

Coleção – A coleção Faces do Brasil – História e Cultura é composta por 37 obras redigidas por professores, pesquisadores e escritores negros e indígenas de 14 estados brasileiros. Organizada pela professora Jacy Proença, ativista histórica do movimento negro brasileiro, a coleção é destinada a alunos do ensino fundamental e médio.

Serviço
O quê: Inauguração da Biblioteca Oliveira Silveira e lançamento da coleção Faces do Brasil – História e Cultura
Quando: Dia 15 de dezembro de 2011 (quinta-feira), às 18h
Onde: Fundação Cultural Palmares – SCS (Setor Comercial Sul), quadra 09, 1º andar, Edifício Parque Cidade Corporate, Torre B – Brasília-DF

http://www.palmares.gov.br/?p=16692#comment-2132

2° Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras inscrições até 16/12

Foram prorrogadas até 16 de dezembro as inscrições para o 2° Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras. Realizado pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos Neves (Cadon) em parceria com a Fundação Cultural Palmares (FCP), o Prêmio tem como objetivo atender às expressões artísticas de estética negra dos segmentos de teatro, dança e artes visuais.



De acordo com Martvs das Chagas, diretor do Departamento de Fomento e Promoção da Cultura Afro-Brasileira da FCP, a prorrogação das inscrições significa uma oportunidade a mais para que os interessados colaborem no sentido de enriquecer com propostas que somem para a promoção e valorização das expressões culturais afro-brasileiras.

A primeira seleção de projetos, realizada em 2010, trabalhou com a produção artística de matriz africana e em atendimento à demanda do Fórum de Performance Negra. Com o patrocínio da Petrobras, através da lei Rouanet, foi possível contemplar 20 projetos. Em sua segunda edição, o Prêmio tem como proposta contemplar outros 20 com até R$1.100 milhão em prêmios.

Os projetos serão avaliados de acordo com os critérios de excelência artística, histórica e efetiva contribuição artística para a cultura negra, pertinência do conteúdo à questão afro-brasileira, qualificação dos profissionais e viabilidade técnica de execução, com base no valor do prêmio.

Para participar os interessados devem acessar o site www.premioafro.org e consultar o edital.

http://www.palmares.gov.br/?p=16692

CARPE DIEM

Carpe diem,
Quam minimum crédula postero”
Aproveita o dia de hoje,
E evita confiar no de amanhã.
Horácio

a mesa, o sol
espera por nós dois
não há tempo, meu bem
para o que virá depois

A cidade acorda
e grita pro mundo:
tudo vai bem, tudo vai mal
tudo é um absurdo!

Vem comigo agora
e aproveita o dia
o tempo que resta
o resto de tudo
e restante de poesia

Lá fora, a dor, eu sei
esmaga, oprime e mata;
aqui dentro também
a vida, as vezes, pesa
a tristeza, as vezes, devasta

Não me iludo
nem sofro a mais:
é preciso primeiro salvar
o que há de melhor em nós

Carpe diem

Carpe diem é poema de Marcelo Alves (poeta de Biguaçu/SC)que virou canção e dá título ao segundo disco, do trio Jeremias sem Cão, também da cidade catarina.

Carpe Diem e outros trabalhos do Trio podem ser conhecidos através do site
http://www.myspace.com/jeremiassemcao

Jeremias sem Cão

Formada em maio de 2001 na cidade de Biguaçu/SC, inicialmente utilizando-se do pseudônimo do escritor conterrâneo Marcelo Alves, que havia criado alguns poemas e gostaria de musicá-los.

Após as primeiras apresentações a parceria com a poesia (que seria para um projeto específico) solidificou-se e de maneira gradativa veio a se tornar uma das principais características da banda.

Jeremias Sem Cão desenvolve um trabalho fortemente ligado à palavra deixando que esta forneça elementos tanto rítmicos quanto melódicos na composição.
http://tramavirtual.uol.com.br/artistas/jeremias_sem_cao

duas ilhas e um céu...

Bike Bus: bicicleta também vai andar de ônibus



Desde o início do mês de abril, circulam na cidade de São Paulo alguns ônibus adaptados para transportar bicicletas na parte dianteira: os Bike Bus. A iniciativa é de uma das empresas paulistanas de ônibus, a Sambaíba, para incentivar as pessoas a deixarem o carro em casa.

Por enquanto, o serviço ainda não está disponível para a população e os Bike Bus estão circulando com os suportes de bicicleta vazios, apenas para ver como o veículo se adapta ao trânsito de São Paulo.

Quando realmente entrar em fase de teste – o que, segundo a SP Trans, ainda não tem data para acontecer –, a prefeitura traçará as rotas desses ônibus, que a princípio devem passar por regiões da cidade onde já existem ciclofaixas. Assim, o passageiro pode pedalar com segurança até o ponto de ônibus.

Se a iniciativa for bem aceita pela população, a Secretaria Municipal de Transportes promete implantar os suportes para bicicleta em todos os ônibus da cidade e, assim, transformar todos eles em Bike Bus.

Qual é a sua opinião sobre o projeto?
Vai funcionar?
Deve servir de modelo para outras cidades?

http://super.abril.com.br/blogs/planeta/bike-bus-bicicleta-tambem-vai-andar-de-onibus/

POESIA DO DIA

A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como sou - eu não aceito.

Não agüento ser apenas um sujeito que abre portas,
que puxa válvulas, que olha o relógio,
que compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora, que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.

Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem usando borboletas.
Manoel de Barros

Conversa sobre Redes Sociais, Conectividade e Colaboração

Hoje , dia 15 de Dezembro, das 19:00 as 21:00
Casa da Maquinas - Lagoa da Conceição.

O tema redes sociais e conectividade será apresentado pela jornalista e netweaver Vivianne Amaral.
A especialista possui formação em Comunicação Social, especialização em Coordenação de Grupos Operativos, atua como consultora e facilitadora com abordagens referenciadas na ciência de redes sociais e conectividade facilitada pela web 2.0.

gratuito

Curta Conte-me o filme


O Coletivo de Cinema Campeche convida para Lançamento do curta-metragem Conte-me o filme, o Making On. dia 15 de dezembro de 2011, no Largo da Catedral, ás 20h

dê livros de presente

Cia Traço realiza mostra de teatro em Florianópolis

Dia Nacional da Economia Solidária 2011

"Hoje é o Dia Nacional da Economia Solidária, dia em que o companheiro Chico Mendes nasceu! E, desde a floresta, a luta de trabalhadoras-es pelos direitos e pela construção de uma sociedade justa, onde não há patrão nem empregado, nem miséria nem riqueza extrema." FBES

acesse o site http://www.fbes.org.br e saiba mais sobre o movimento da economia solidária, suas práticas e parceiros que realizam atividades, campanhas pela lei da economia solidária, marchas, feiras

segue um texto publicado no site do Fórum Brasileiro de Economia Solidária
"Dia da Economia Solidária: 2011 foi um ano histórico para o movimento!

15 de dezembro de 2011
por Secretaria Executiva do FBES

O ano de 2011 marcou todo o movimento nacional de economia solidária, demos um grande passo para o fortalecimento da identidade desta alternativa política, econômica, ambiental e social pela construção de um outro mundo e uma nova sociedade: justa, solidária, autogestionária e sustentável. Atividades de várias dimensões ocorreram e estiveram relacionados na maior divulgação da economia solidária na sociedade e junto ao poder público federal e locais, no avanço de diversas iniciativas produtivas e educativas, e ainda, no maior diálogo e construção conjunta com outros movimentos sociais.

Este ano consolidou certezas e desafios para o movimento no país, que estão expressados na construção da V Plenária Nacional de Economia Solidária, cujo tema é "Economia Solidária: o bem viver, a cooperação e a autogestão para um desenvolvimento justo e sustentável", e em seus objetivos de consolidar o movimento de economia solidária e ampliar os diálogos, articulações e convergências com outros movimentos sociais. 2012 já têm um caminho desenhado que o movimento aprofundará para o próximo período.

Nesta rápida retrospectiva do ano de 2011, trazemos os fatos e atividades destacadas em três grandes blocos de pautas: do movimento de economia solidária, com outros movimentos sociais nacionais e internacionais e com o Estado."

http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=61&Itemid=57

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Abertura da exposição “Questions/ Questões”

Na próxima quarta-feira, dia 14 de dezembro tem abertura da exposição “Questions/ Questões” de Sérgio Canfield. O evento inicia as 19h30 na Galeria Municipal de Arte da Fundação Cultural de Itajaí, situada à Rua Lauro Müller, n° 53 – Bairro Centro. A mostra permanecerá aberta à visitação até o dia 20 de janeiro de 2012.

Junto com a abertura haverá o lançamento de três livros, são eles: “Bem-Vindo à Escuridão”, de Fernando T. Moraes, “Na Arte do Pandeiro”, de Ricardo Dominguez e “Quando Cai um Rio do Céu”, de Daniel Rosa dos Santos.

“Bem-vindo à Escuridão” é um livro que reúne 16 contos de suspense. Já “Na Arte do Pandeiro” o leitor encontrará informações básicas para tocar o instrumento e “Quando Cai um Rio do Céu” é um livro inspirado na enchente de 2008 – que deixou noventa por cento da cidade de Itajaí (SC) submersa ou alagada.

O que? Abertura da exposição “Questions/ Questões” elançamento de 3 livros.
Onde?Galeria Municipal de Arte da Fundação Cultural de Itajaí, situada à Rua Lauro Müller, n° 53 – Bairro Centro.
Quando? Quarta-feira, dia 14 às 19h30.

Palestra sobre emigração Italiana em Nova Trento

Acontece dia 14 de dezembro, quarta-feira, às 20h a cidade de Nova Trento receberá Renzo Maria Grosselli e Ivette Marli Boso, dois renomados pesquisadores sobre a emigração trentina.
O evento acontece na sede da Associação São Virgílio Pró-anciãos – La Casa dei Nonni, promoção da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Nova Trento, e conta com apoio do Circolo Trentino de Nova Trento, CDL , Casa dei Nonni e NEOTUR.

Renzo Maria Grosselli é sociólogo, doutor em História e já publicou dezenas de livros de cunho histórico-antropológico sobre a emigração trentina e italiana no mundo e, particularmente, para o Brasil. Escreveu também alguns livros de poesia e trabalhou no campo da história oral. Atualmente trabalha como jornalista no jornal “LAdige”, de Trento. Ivette Marli Boso, esposa de Grosselli é neotrentina e graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e pela Universidade de Trento (Itália). Tem um livro publicado intitulado “Noialtri chi parlen tuti em talian”, resultado de sua pesquisa sobre o dialeto italiano praticado no Brasil e, em especial, em Nova Trento.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

SESC OFERECE TEATRO EM DOSE TRIPLA EM ITAJAÍ

Espetáculo “EXPERIMENTO CIRCO” (Teatro de rua)

Quando: Ter. 06/12 às 18h

Onde: Calçadão Hercílio Luz

Quanto: GRATUITO

SINOPSE: Na comunicação entre o circo tradicional e o contemporâneo, quatro personagens se juntam para dar vida a uma série de números circenses dentro de um espetáculo com a linguagem popular do circo de rua. Risco, surpresa, imaginação e cumplicidade como público, geram uma química união entre crianças e adultos, tornando-o um espetáculo para todas as idades. A música tocada ao vivo e a boa escolha dos fundos musicais, faz ressaltar a fineza e precisão da movimentação dos atores. O espetáculo mescla linguagens de expressão teatral, música, dança e técnicas circenses como: arame, malabarismo, mão a mão, diabolô, malabarismo com fogo, tecido, doble trapézio. www.circoamarillo.com.ar

que: Espetáculo “PASSARÓPOLIS” (Teatro de rua)
Quando: Qua. 07/12 às 18h

Onde: Calçadão Hercílio Luz

Quanto: GRATUITO

SINOPSE: Fugindo de seus credores, dois homens compram um pássaro que os levará ao reino das aves. A ordem que lá existia é tumultuada com a chegada dos dois, que sugerem mudanças radicais na estrutura daquele espaço. Em um mundo onde todos querem ter vantagens, a lábia é a melhor arma. Nem mesmo os deuses do Olimpo estarão a salvo das trapalhadas causadas pela ambição de homens e aves.






O que: Espetáculo “BARRO, DA OBRA DE MANOEL DE BARROS” (Teatro de rua)

Quando: Sab. 10/12 às 19h

Onde: Calçadão Hercílio Luz

Quanto: GRATUITO

SINOPSE: Trabalho de rua construído dentro do projeto “poesia ao pé da rua”do SESC-Prainha. Feito de colagens de poemas do poeta sul-matogrossense Manoel de Barros, “barro” é o espetáculo que mais circulou no grupo depois de “O marinheiro” e até a “Galinha Degolada”. Motivou e participou da criação da Mostra de Teatro de Rua da Grande Florianópolis, que teve duas edições realizadas, em ambas com a presença deste espetáculo. A radicalidade de barro está na sua proposta extremamente simples. Continuando a pesquisa do ator criador, “barro” lança um grupo de atores a uma cena performática na rua. A beleza da palavra do poeta é a provocação maior, e o trabalho doa atores é dar corpo a toda situação criada por ele.

Setor de Cultura - SESC-Itajaí-SC
Fone: (47)3349-4096 / 9946-3388

sábado, 3 de dezembro de 2011

Regata em Itajaí terá barcos construídos pelos próprios velejadores

Barcos monotipos, bateiras e Shellback estarão na disputa

O evento que a Associação Náutica de Itajaí (ANI) está promovendo com o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) contará com barcos feitos pelos próprios velejadores. A Regata ANI-IFSC será disputada amanhã (sábado), com largada às 14 horas na localidade Saco da Fazenda, na cidade portuária catarinense de Itajaí.

Além de vários monotipos e bateiras, os barcos Shellback também estarão na disputa, construídos na oficina da ANI pelos alunos adultos que passaram pelo curso de construção naval amadora ao longo de seis meses. O custo total, entre material e aula, foi de R$ 3,2 mil: “Este projeto vem justamente para quebrar o paradigma de que, para velejar, tem que ser rico ou ter muito dinheiro. Muito pelo contrário, basta ter vocação, vontade e determinação”, diz o diretor-presidente da ANI, Claudio Copello.

A Regata ANI-IFSC marca o encerramento das atividades da Associação em 2011 e será disputada com o mesmo espírito que norteia o trabalho da entidade: entrosar a comunidade local no meio náutico. “Estamos resgatando a cultura marítima da cidade e aproximando a população do mar”, completa Copello.

A ANI foi fundada em 2001 e desenvolve um trabalho de inclusão social através da vela. Procura desenvolver a mentalidade náutica em crianças e jovens da rede de ensino municipal, através de uma série de atividades.

Classes e categorias em disputa na Regata ANI-IFSC:

Bateira Casal - para casais com o objetivo de agregar a família em torno da vela
Bateira Iniciante - para os alunos da rede municipal de ensino que estão no projeto Navegando pela Cidadania e ainda não participaram de regatas
Bateira Veterano - para os alunos, ex alunos e adultos que já velejam e participam de regatas
Shellback - classe especial para os alunos do curso de construção naval amadora, com a participação de todas as turmas que concluíram seus barcos nos anos anteriores
Monotipos - para os velejadores mais experientes que competem com barcos Laser, Dingue, Holder, Hobie Cat, etc.

http://www.nautica.com.br/noticias/viewnews.php?nid=ult96bc8455a55cf353cec2845a34ffc907

Arrastão Cultural do Ponto de Cultura Pescadores de Cultura

Onde Ponto de Cultura Pescadores de Cultura - Associação Cultural Baiacu de Alguém, Rua Padre Lourenço R. de Andrade, 650 - Santo Antônio de Lisboa

Descrição A arte pede passagem no Distrito de Santo Antônio de Lisboa com o Arrastão Cultural, que será realizado neste sábado dia 3.12 á partir das 16hs na sede do Ponto de Cultura.

O evento marca o encerramento das atividades das oficinas culturais e será apresentado em forma de... espetáculo, destinado a toda comunidade e apresentado por professores e alunos das oficinas e convidados especiais.

O Arrastão Cultural é uma iniciativa do Ponto de Cultura Pescadores de Cultura – Associação Cultural Baiacu de Alguém e tem o propósito e a proposta de levar a comunidade atrações culturais, educativas e de caráter interativo desenvolvidas durante o ano nas oficinas.

O Arrastão vai percorrer as ruas de Santo Antônio de Lisboa chegando até a Praça Roldão, onde serão realizadas apresentações de música, teatro, dança, cantorias, performances diversas, exposições, projeção de curtas, animação e muito mais!

Em caso de chuva o evento será realizado na sede do Ponto de Cultura.

Prestigie!
http://pescadoresdecultura.educardesign.net/

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Dia Internacional do Não Uso de Agrotóxicos

Em 03 de dezembro se comemora o Dia Internacional do Não Uso de Agrotóxicos,
com o objetivo de fazer um chamado à reflexão e tomada de consciência por
parte dos governantes sobre o grave problema social e ambiental gerado pela
fabricação, uso e disposição final dos agrotóxicos.
O dia foi escolhido para lembrar o Desastre de Bhopal, ocorrido em 03 de
dezembro de 1984, na região de Bhopal, Índia, quando uma fábrica da empresa
Union Carbide deixou vazar 27 toneladas do gás mortal isocianato de metila.Meio milhão de pessoas foram expostas, das quais até o
momento 25 mil já morreram.
A data foi estabelecida pelas 400 organizações de 60 países que compõem a
Rede de Ação contra Pesticidas (PAN International – Pesticides Action
Network).
Atualmente, em Bhopal, 100 mil pessoas são doentes crônicas pelos efeitos
desse desastre. Essas doenças incluem cegueira, transtornos respiratórios e
ginecológicos. O lugar nunca foi devidamente descontaminado e segue
envenenando os moradores de Bhopal. Outras 30 mil pessoas estão doentes pela
contaminação de seus poços e encanamentos com produtos químicos que escapam
das instalações abandonadas, cheias de venenos.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011



"...Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda..."

Cecília Meireles

Sarau Modinhas Brasileiras no Palácio Cruz e Sousa

Reviver os saraus dos séculos XVIII e XIX, essa é a proposta do Sarau Modinhas Brasileiras que será realizado no dia 1 de dezembro no Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Sousa, casa administrada pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC) no Centro de Florianópolis. O evento irá recriar o ambiente de um sarau, com apresentações de música e poesia.
O projeto é parte do Programa de Extensão VivaVoz, promovido pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), por meio do Ceart. O Sarau contará com a participação especial do professor do Departamento de Música da Universidade, Marcos Holler (cravo) e do professor do Departamento de Moda, Lucas da Rosa (criação e confecção dos figurinos), além de alunos dos cursos de Música e Teatro da instituição.

A modinha é uma das manifestações mais antigas da canção em nosso país, com abordagem lírica e sentimental do amor. Seu auge se deu na segunda metade do século XVIII. No sarau, as canções serão acompanhadas por cravo e violão e os participantes poderão também recitar poesias de forma espontânea.

Ficha técnica:

Coordenação / Direção Geral: Profa. Alicia Cupani

Cravo:
Prof. Marcos Holler
Felipe P. Schlichting

Figurinos:
Prof. Lucas da Rosa Priscila Mello
Beatriz Freitas

Bolsista VivaVoz: Rafael Reüs

Integrantes:
Carlos Rafael Porto
Eduardo João das Neves
José Claudio Mezzalira
Lorena Piacente Nazário
Luis Eduardo Silva
Luisa Claire Reckziegel
Luiza Faé Mantovani
Miguel Philippi
Natacha Kamila Vieira
Rodrigo Piveta Werlang
Rafael Reüs

Serviço: O que: Sarau de Modinhas Brasileiras
Onde: Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Sousa
Quando: 01/12/2011, às 19h
Entrada gratuita

FONTE: Assessoria de Imprensa FCC

Pesca artesanal da tainha em Florianópolis é tema de exposição

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC), por meio do Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Sousa, recebe até o dia 22 de dezembro a exposição fotográfica Nossa Pesca. Nas imagens, o registro da tradicional pesca artesanal da tainha em Florianópolis.


Cerca de 30 fotografias estão expostas na parte externa do Palácio. As imagens foram extraídas do livro Nossa Pesca: um retrato da pesca da tainha em Florianópolis, de Eduardo Cassol e Filipe Quintanilha, e foram tiradas entre maio e julho de 2011.

O público poderá ver um pouco de como é feita a pesca, que faz parte da cultura dos açorianos que colonizaram a Ilha de Santa Catarina. São retratadas todas as etapas, desde o preparo das redes até a contagem dos peixes após a realização do trabalho em conjunto entre os pescadores.

Exposição Nossa Pesca
Onde: Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Sousa (Praça XV de Novembro, 227 - Centro - Florianópolis) de 29 de novembro a 22 de dezembro de 2011, de terça a sexta-feira, das 10h às 18h. Sábados e domingos, das 10h às 16h
Gratuito

FONTE: Assessoria de Imprensa FCC

símbolo do apoio e da luta contra a AIDS

A História da Fita Vermelha...
O laço vermelho é visto como símbolo de solidariedade e de comprometimento na luta contra a Aids. O projeto do laço foi criado, em 1991, pela Visual Aids, grupo de profissionais de arte, de Nova York, que queriam homenagear amigos e colegas que haviam morrido ou estavam morrendo de Aids. A Atriz Elizabeth Taylor patrocinou a confecção do símbolo.

O Visual Aids tem como objetivos conscientizar as pessoas para a transmissão do vírus, divulgar as necessidades dos que vivem com o HIV/Aids e angariar fundos para promover prestação de serviços e pesquisas.

O laço vermelho foi escolhido pela sua ligação ao sangue e à idéia de paixão, afirma Frank Moore, do grupo Visual Aids, e foi inspirado no laço amarelo que honrava os soldados americanos da Guerra do Golfo.

Foi usado publicamente, pela primeira vez, pelo ator Jeremy Irons, na cerimônia de entrega do prêmio Tony Awards, em 1991.

Ele se tornou símbolo popular entre as celebridades nas cerimônias de entrega de outros prêmios e virou moda. Por sua popularidade, alguns ativistas ficaram preocupados com a possibilidade de o laço se tornar apenas um instrumento de marketing e perdesse sua força, seu significado. Mas, ao contrário disso, a imagem do laço continua sendo um forte símbolo na luta contra a Aids, reforçando a necessidade de ações, pesquisas e, principalmente, de solidariedade aos que convivem com o HIV/Aids.

http://vanguarda-esperanca.blogspot.com/2010/07/historia-da-fita-vermelha.html

segunda-feira, 28 de novembro de 2011


http://vocedeolhoemtudo.com.br/wp-content/gallery/fotos-do-mar/fotos-do-mar-7.jpg

Núcleos do MASC / Conservação e Acervo

A formação do acervo do Museu de Arte de Santa Catarina teve início através da apresentação, da “Exposição de Arte Contemporânea”, trazida a Florianópolis em 1948 pelo escritor carioca Marques Rebelo. A mostra, que na época repercutiu na cidade, foi apresentada no Grupo Escolar Modelo Dias Velho, hoje Escola Básica Antonieta de Barros, no centro da cidade, deixando, na oportunidade, importantes doações por parte do próprio escritor, de artistas participantes, e aquisições oficiais.

A idéia do escritor era que a exposição frutificasse em museu, e juntamente com o apoio de um grupo de intelectuais de Florianópolis, conhecido por Grupo Sul, essa intenção deu certo, e a 18 de março de 1949, através de Decreto Estadual, foi criado o então Museu de Arte Moderna de Florianópolis – MAMF, atual Museu de Arte de Santa Catarina – MASC.

Passado mais de meio século, o acervo do MASC conta com uma significativa representação da arte nacional.

A arte catarinense está representada, entre outros, por obras de Eduardo Dias, Malinverni Filho, Martinho de Haro, Hassis, Eli Heil, Rodrigo de Haro, Elke Hering, Rubens Oestroem, Luiz Henrique Schwanke, Juarez Machado, formando uma verdadeira retrospectiva da arte de Santa Catarina.
Na coleção nacional figuram nomes como Di Cavalcanti, Cândido Portinari, Djanira, Emeric Marcier, Alfredo Volpi, Tarsila do Amaral, Guignard, José Pancetti, Carlos Scliar, Iberê Camargo, Tomie Ohtake, Aldo Bonadei, Mário Zanini, Lula Cardoso Ayres, Frans Krajcberg, Antonio Maia, Marcelo Grassmann, Fayga Ostrower, Antonio Henrique Amaral, Lívio Abramo.

O Núcleo de Conservação e Acervo conta com a Sala de Conservação Preventiva, que possibilita a integridade das obras, manuseio, e cuidados no controle ambiental (temperatura e umidade relativa do ar) da sala da Reserva Técnica, local de guarda das peças do acervo.

O Núcleo conta, ainda, com o apoio do Atelier de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis – ATECOR da Fundação Catarinense de Cultura, na restauração de obras e apoio técnico em procedimentos de conservação.

O núcleo de acervo organiza mostras didáticas, temporárias e permanentes com objetivo de levar ao público maiores informações sobre a obra e o artista.

Horário de atendimento: das 13hs às 19hs

Contato: (48) 3953-2324/ fax:(48)3953-2316

http://www.masc.org.br/index.php?mod=pagina&id=10830

II Mostra de economia solidária

Florianópolis sedia, no dia 1º de dezembro, a II Mostra de Economia Solidária de Santa Catarina. O objetivo é afirmar a economia solidária como estratégia para uma política sólida de desenvolvimento sustentável. O evento será realizado das 9h às 16h, na sede da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, RuaVictor Meirelles, 198, Centro.

A economia solidária, cujas raízes históricas se encontram nas organizações dos trabalhadores como alternativas para a valorização da melhoria da qualidade de vida no trabalho e na construção de uma sociedade justa e democrática está baseada na solidariedade, na cooperação, no trabalho associado, no consumo consciente, na autogestão, na sustentabilidade, no respeito à natureza e na promoção da dignidade humana.

O evento é uma realização do Fórum de Economia Solidária de Florianópolis, com Apoio da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Santa Catarina, Secretaria Nacional de Economia Solidária/MTE.

http://noticias.ufsc.br/2011/11/25/mostra-de-economia-solidaria/

A economia solidária é movimento que busca contrapor os princípios de produção, comercialização e distribuição de riquezas inerentes ao sistema capitalista, buscando novas relações (sociais, economicas e ambientais) contrárias:

- à alienação em relação ao processo do trabalho como um todo;

- às desigualdades sociais (poder e riqueza na mão de uma minoria, pobreza para a maioria); e
- aos desequilíbrios ecológicos - visto que grandes corporações tendem a se preocupar mais com o lucro e menos com os danos ambientais que o seu crescimento desenfreado causa.

E como visto, o desenvolvimento territorial busca expandir com base nesta economia solidária, levando em conta que seu crescimento necessita do envolvimento das pessoas:

- de forma associativista e cooperativista (cada um contribuindo com o seu melhor, com o que é possível dentro de seus parâmetros);
- participando do processo desde sua implementação até o produto final (propriedade da economia solidária que tem características também do comércio justo); e
- tendo em mente o equilíbrio ecológico (fator essencial para harmonizar as relações entre pessoas, desenvolvimento territorial e natureza).

http://www.sebrae.com.br/customizado/desenvolvimento-territorial/temas-relacionados/economia-solidaria

Oficina: Gestão e planejamento museológico em Lages/SC

Sistema Estadual de Museus – SEM/SC, convida os profissionais atuantes em museus para participarem do Programa de Capacitação Museológica.

Dividido em sete módulos, as oficinas deverão acontecer de 2011 a 2014 de forma progressiva, em todas as regiões de Santa Catarina, possibilitando a continuidade de uma formação específica para os profissionais atuantes em museus.

Oficina: Gestão e planejamento museológico

Ministrante: Museóloga. Atuou na implantação do Museu Municipal Conde Francisco Matarazzo no Paraná e como consultora na confecção do Plano Museológico do Museu de Arte Contemporânea Luiz Henrique Schwanke. Atualmente leciona as disciplinas " museologia II e III" no curso de Bacharelado em Museologia da UNIBAVE de Orleans/SC e a disciplina de "Construção do Plano Museológico"como curso de extensão promovido pelo Programa de Pós Graduação em Bens Culturais da FAI de Caxias do Sul/RS

Ementa: Museu: dinâmica do conceito. Diferentes tipologias de museus. O museu e suas funções. Nova Museologia. Legislação vigente para a área museal. Política Nacional e Estadual de Museus. Importância, vantagens e limites do plano museológico. Metodologia para elaboração e implantação do plano. Missão institucional: finalidades, valores, metas e funções. Identificação de público-alvo e parceiros institucionais. Avaliação do plano museológico: Legalização, legislação e documentos institucionais: ata de fundação, decreto de criação, estatuto e regimento interno.

Período: 5 à 7 de dezembro de 2011, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h30;
Local: Universidade do Planalto Catarinense - Av. Castelo Branco, 170 -Bairro Universitário - Lages/SC

Público-alvo: As vagas são destinadas preferencialmente a profissionais atuantes em museus, centros culturais, memoriais e instituições afins da região sul catarinense. Instituições museológicas cadastradas no SEM/SC terão preferência na participação.

Carga horária: 24 horas/aula. Será fornecido certificado de participação aos participantes que obtiverem no mínimo 75% de freqüência.

Inscrições: até 1º de dezembro de 2011. Interessados em participar devem encaminhar seu pedido de inscrição (ficha anexa) para o e-mail: oficinasemsc@fcc.sc.gov.br

Mais informações: Sistema Estadual de Museus – SEM/SC
Fone: (48) 3953-2332 ou 3953-2382 - E-mail: oficinasemsc@fcc.sc.gov.br

Museu Histórico Thiago de Castro
Endereço:Rua Hercílio Luz, s/n – Centro – Lages/SC
Fone: (49) 3222-7603 | 9965-6909 - E-mail: mhtc_lages@yahoo.com.br

Realização:Fundação Catarinense de Cultura – FCC
Sistema Estadual de Museus – SEM/SC - Museu Histórico Thiago de Castro

Apoio:Secretaria de Desenvolvimento Regional de Lages
Universidade do Planalto Catarinense-Uniplac

Sessão de autógrafos e palestra com Walter Guerreiro, autor do livro "Schwanke: Rastros".


Sinopse do livro
“Schwanke: Rastros” trata da obra em desenho na vasta produção de Luiz Henrique Schwanke (1951 – 1992) criada entre 1977 a 1988, o desenho visto como campo expandido da pintura. Organizado sob duas perspectivas por Walter de Queiroz Guerreiro, um ensaio que é a linha condutora trata não do que o artista quis dizer, mas do que a obra nos fala através de leituras estéticas, filosóficas e psicanalíticas, é uma seleção de tudo que foi escrito entre 1980 e 2010 na visão de 25 autores em 16 textos críticos, 10 excertos, 93 referências, depoimentos e entrevistas do artista, com 153 obras reproduzidas dialogando com os textos.

Palestra “Ser Contemporâneo”
Discute-se a contemporaneidade de Luiz Henrique Schwanke no trânsito pelas diversas linguagens desde o pós-modernismo da Pop Art passando pelo construtivismo, minimalismo e neo-expressionismo, focando nas obras em desenho como campo expandido. A questão conceitual do que seja ser contemporâneo é apresentada através de vários autores e referenciais na obra do artista embasando a argumentação e situando Schwanke em seu tempo. A palestra é apresentada em Power point com imagens das obras das diferentes séries e resumo das questões levantadas.

O que:Sessão de autógrafos e palestra com Walter Guerreiro, autor do livro "Schwanke: Rastros"
Quando:Dia 30 de novembro, quarta-feira, às 19:00

Onde:MASC Av. Irineu Bornhausen, 5.600 – Agronômica (Centro Integrado de Cultura)

http://www.masc.org.br - (48) 3953-2380/ 3953-2317

FONTE: Instituto Schwanke

Visite a mostra de longa duração "MASC: tempo, espaço e arte".

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Maratona Cultural Florianópolis

Maratona Cultural transforma Florianópolis em um grande palco.
Serão três dias de apresentações culturais em 23 pontos da cidade, reunindo atrações locais e nacionais, todas gratuitas.

O mês de novembro promete ser histórico para o movimento cultural catarinense. A capital do Estado recebe pela primeira vez um evento que engloba uma série de apresentações culturais, do teatro às artes plásticas, entre os dias 25 e 27 e em vários pontos geográficos da cidade.

Do Norte ao Sul de Florianópolis serão montados 7 palcos nos principais bairros, além de 8 espaços culturais, 6 teatros e pontos na rua, em um total de 23 espaços culturais que irão receber uma vasta e diversificada programação artística, reunindo mais de 500 artistas e 200 atrações.

Com a Maratona Cultural, Florianópolis entra na rota deste tipo de evento, que valoriza os artistas locais e incentiva o consumo de cultura e arte, independente do local e horário, como já acontece nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus e Curitiba. O evento catarinense conta com a curadoria artística da jornalista Ligia Gastaldi, patrocínio da Funcultural, Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte e Governo do Estado de Santa Catarina.

Acompanhe a programação da Maratona Cultural em nossas mídias:
Site: www.maratonacultural.com
Facebook: www.facebook.com/MaratonaCultural
Twitter: @MaratonaCult
contato@maratonacultural.com

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

JOÃO DA CRUZ E SOUSA

SINFONIAS DO OCASO

Musselinosas como brumas diurnas
descem do ocaso as sombras harmoniosas,
sombras veladas e musselinosas
para as profundas solidões noturnas.
Sacrários virgens, sacrossantas urnas,
os céus resplendem de sidéreas rosas,
da Lua e das Estrelas majestosas
iluminando a escuridão das furnas.
Ah! por estes sinfônicos ocasos
a terra exala aromas de áureos vasos,
incensos de turíbulos divinos.
Os plenilúnios mórbidos vaporam ...
E como que no Azul plangem e choram
cítaras, harpas, bandolins, violinos ...

BIOGRAFIA DE CRUZ E SOUSA (1861 - 1898)

João da Cruz e Sousa nasceu em Desterro, atual Florianópolis. Filho de escravos alforriados pelo Marechal Guilherme Xavier de Sousa, seria acolhido pelo Marechal e sua esposa como o filho que não tinham. Foi educado na melhor escola secundária da região, mas com a morte dos protetores foi obrigado a largar os estudos e trabalhar.

Sofre uma série de perseguições raciais, culminando com a proibição de assumir o cargo de promotor público em Laguna, por ser negro. Em 1890 vai para o Rio de Janeiro, onde entra em contato com a poesia simbolista francesa e seus admiradores cariocas. Colabora em alguns jornais e, mesmo já bastante conhecido após a publicação de Missal e Broquéis (1893), só consegue arrumar um emprego miserável na Estrada de Ferro Central.

Casa-se com Gavita, também negra, com quem tem quatro filhos, dois dos quais vêm a falecer. Sua mulher enlouquece e passa vários períodos em hospitais psiquiátricos. O poeta contrai tuberculose e vai para a cidade mineira de Sítio se tratar. Morre aos 36 anos de idade, vítima da tuberculose, da pobreza e, principalmente, do racismo e da incompreensão.

ACROBATA DA DOR

Gargalha, ri, num riso de tormenta,
como um palhaço, que desengonçado,
nervoso, ri, num riso absurdo, inflado
de uma ironia e de uma dor violenta.
Da gargalhada atroz, sanguinolenta,
agita os guizos, e convulsionado
salta, gavroche, salta clown, varado
pelo estertor dessa agonia lenta ...

Pedem-se bis e um bis não se despreza!
Vamos! retesa os músculos, retesa
nessas macabras piruetas d'aço. . .

E embora caias sobre o chão, fremente,
afogado em teu sangue estuoso e quente,
ri! Coração, tristíssimo palhaço.

João da Cruz e Sousa

Concurso Nacional de Presépios

O natal tem como um de seus símbolos mais importantes o presépio.
Manifestação da cultura popular repleta de simbologias tem sua origem ainda na idade média.
Com objetivo de incentivar a produção de presépios artísticos e preservar este modo de expressão da religiosidade popular brasileira, a Fundação de Arte de Ouro Preto | FAOP, entidade vinculada à Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, realiza, há quarenta e três anos, o Concurso Nacional de Presépios.
Neste ano as inscrições acontecem de 8 de novembro a 5 de dezembro.

Os interessados podem se inscrever gratuitamente mediante o preenchimento de formulário.

acesse para ler edital http://www.faop.mg.gov.br/?action=noticias&sec=1&con=654

Informações:Rua Alvarenga, 794, bairro Cabeças, Ouro Preto, Minas Gerais. Tel.:(31) 3551 2014

Semana Ousada de Artes 2011 (21 a 25 de Novembro)

A 4ª Semana Ousada de Artes UFSC & UDESC é um evento artístico-cultural que fomenta a arte produzida nos laboratórios universitários por acadêmicos e professores da UFSC e da UDESC. A Semana conta, ainda, com a participação de outras instituições e grupos independentes, procurando estabelecer um elo entre o acadêmico e a sociedade.

a solenidade de abertura aconteceu na segunda dia 21 de novembro com a
SINFONIA TERRA - de Alberto Andrés Heller as 20h Camerata Florianópolis e Polyphonia Khoros no Auditório Garapuvu Centro de Cultura e Eventos/UFSC

Semana Ousada, a pesquisa, o talento e a coragem de ousar que vêm dos laboratórios de arte das universidades e dos grupos de vanguarda no país ganharam os palcos de Florianópolis e de Santa Catarina. Não só os palcos: também as ruas e espaços de circulação pública da Capital e de outras 17 cidades catarinenses. É a Quarta Semana Ousada de Artes UFSC/UDESC, que, todos os anos, une os esforços de duas universidades públicas para insuflar uma semana de arte e cultura em todos os cantos das cidades! A Semana Ousada chega ampliada à sua quarta edição, com uma pauta maior de espetáculos e oficinas em linguagens artísticas mais diversificadas e com mais pontos de apresentação. Quem participa da Semana Ousada recebe uma overdose de cultura e arte na área de teatro, cinema, dança, música, multimídia, artes plásticas, além de exposições de moda, desenho, arquitetura e artesanato, oficinas, ações educativas e palestras. Tudo gratuito e aberto ao público!

De 21 a 25 de novembro (segunda a sexta), a Grande Florianópolis e as cidades de Balneário Camboriú, Lages, Ibirama, Chapecó, Palmitos, Pinhalzinho, Guarujá do Sul, Laguna, Palma Sola, Dionísio Cerqueira e São Bento do Sul vão entrar no circuito artístico da Semana Ousada. A programação começou a ser preparada já no início do ano, reúne mais de uma centena de eventos e terá na abertura o arrebatador espetáculo musical “Sinfonia Terra”, com a Camerata de Florianópolis. Também já estão confirmadas apresentações de grupos teatrais de qualidade estética reconhecidos em circuito nacional, como Oxigênio, de Marcio Abreu. A Mostra Catarinense de Cinema na TV UFSC e o Desfile de Moda dos Alunos da UDESC serão outra oportunidade de conhecer o produto da experimentação artística dos nossos laboratórios de ensino.

A Semana Ousada de Artes 2011 vai apresentar a universidade como fonte de ousadia e sensibilidade poética, afirmando a cultura ao lado do ensino, da pesquisa e da extensão como unidades indissociáveis do conhecimento. A oferta de oficinas gratuitas, que democratizam o acesso ao saber nas mais diversas linguagens, vai promover o fazer artístico, além de construir nas cidades do circuito um ambiente propício à fruição e à criação da arte.

Secretaria de Cultura e Arte - UFSC
(48) 3721 9279 / 3721-9459 - ousadaufscudesc@reitoria.ufsc.br

Coordenadoria de Cultura - UDESC - (48) 3321 8035

TURISMO CULTURAL: DESTINO MATA RS

A cidade de Mata possui grandes depósitos de paleobotânica com de árvores fossilizadas e outros atrativos culturais e naturais.

Mata teve como primeiros moradores os indígenas Humaitá, Umbu e Tupi-Guarani. No ano de 1836, o Governo Imperial destinou uma légua de sesmaria de campo a um casal português, vindo de Pernambuco, porto de Portugal, para a criação de gado. Somente em 1976, com a chegada do padre Daniel Cargnin, apreciador dos estudos de Paleontologia, é que a comunidade passou a conscientizar-se do valor científico dos fósseis existentes na região.

Jardim Paleobotânico um dos pontos turístico mais visitados de Mata, além de ser um Atrativo Natural, serve de campo de estudos de botânica, paleontologia e turismo cultural. O parque fica numa reserva delimitada com área de 36.000m², onde o visitante poderá apreciar a única reserva delimitada do Brasil que conservam fósseis vegetais com mais de 200 milhões de anos, Triássico Superior em formatos, cores e dimensões diferentes. O parque fica próximo ao Centro da Cidade, na Rua do Sertão, 67
e fica aberto diariamente das 8h às 11h30 e das 13h às 17h30.

Museu Padre Daniel Cargnin é um museu do Geoparque da Paleorrota, que recebeu este nome em homenagem ao Paleontólogo Daniel Cargnin, que coletou mais de 80 por cento dos fósseis da região de Mata. Museu guarda um acervo de 2.500 peças fósseis vegetais e animais, reunidos pelo religioso e naturalista. Na região é um centro de informações e orientações sobre o geoparque da paleorrota, fica na Rua do Comércio, 582 funiciona de segunda a sexta das 8h às 18h, sábado e domingo das 9h às 11h30min e das 13h30min às 17h30min.

Gruta do Morro é um local de devoção religiosa, que adentra a mata nativa, o acesso é pela escadaria construída de fósseis vegetais e no topo as imagens da N. Sra. de Lourdes e Santa Bernadete, fica próximo a Igreja na Rua da Matriz, s/n

Praça Medianeira toda ornamentada com fósseis vegetais ostenta um tronco fossilizado pesando aproximadamente 15 toneladas. A praça é usada como local de missa campeira, realizada nos meses de janeiro ou fevereiro, no altar de madeira fossilizada, com participação de cavalarianos das cidades da região. Rua Gen. Osório, com RS 532.

Balneário Municipal conta com infraestrutura para camping, localizado a 4 km do centro da cidade. É banhado pelo rio Toropi. Local de realização do Volei Verão, Circuito Matense de Volei, Circuito Gaúcho de Volei (SESC), Aventura Náutica Ecológica, Garota Verão entre outras atividades. A temporada de verão abre na segunda quinzena de novembro, conta com a operação Golfinho (bombeiros salva-vidas) e encerra no final do mês de março.Prolongamento da Rua Duque de Caxias

Museu Fragmentos do Tempo é composto por um acervo histórico da família Haesbaert e Xavier, além de uma coleçã de porcelana de várias procedências e porcelana brasileira, com recorte nas linhas da Posane. O Museu surgiu com a necessidade de manter viva a história de uma família alemã que se entrelaçou com portugueses, italianos, brasileiros, etc... O acolhimento do acervo promove, o resgate da história antepassados através de relatos que passaram de geração em geração, fontes bibliográficas, pesquisas, fotografias e objetos. São José do Louro - Bairro 1º Distrito - (55) 3259-1374 de segunda a domingo das 8h às 18h.

Cascata Boa Esperança é uma Queda dágua de 40m em meio à mata com exuberantes paredões de pedra, trilhas, cascatas e ponte pencil. Situada na localidade de Boa Esperança. Informações fone: (55) 3259-1272

Cascata do Burraco, situada a 6 Km da sede, na localiade de Sertão. No local há uma queda dagua que passa por dentro de uma pedra, onde se pode contemplar a intensa flora e fauna da região.

Lageado Poraíma circunda a cidade - Apresenta pequenas áreas para banho e lazer, de onde se pode avistar a Ponte de Ferro. Travessia de trem com 60m de comprimento, envolto em mata nativa.

Ponte de Vila Clara, está instalada sobre o Rio Toropi, a maior ponte férrea em vão livre da América Latina na época de sua construção.

Hotel Paleon - Rua da Matriz, 295 - (55) 3259 - 1165

Aconselho o simpático sr. Auri para ser seu guia turistico em Mata, além da sua bela piucha ele sabe como nínguém sobre os fosséis vegetais, pois durante 30 anos recebeu visitantes e pesquisadores do pais e de outras parte do mundo, que vinham até a pequena cidade gaúcha pesquisar ese evento natural que aflora nas terras da cidade.



A cidade de Mata é o ponto final da PALEORROTA gaúcha

O Museu de História Geológica do Rio Grande do Sul esta localizado na cidade de São Leopoldo, dentro da UNISINOS e fica a trinta quilômetros de Porto Alegre. A UNISINOS tem se destacado nas pesquisas com Paleobotânica.

Para conhecer a Paleorrota, iniciando a viagem em Porto Alegre, devesse percorrer a BR-287 em direção a Santa Maria, que esta a 300 Kms de distância. Seguindo o caminho, passamos pela cidade de Venâncio Aires, que é o inicio da área com fósseis. Na cidade Candelária, podemos visitar o Museu Aristides Carlos Rodrigues.

Chegando a Santa Maria, podemos visitar o campus da UFSM, o Museu Vicente Pallotti e o Museu Educativo Gama D'Eça. Na cidade de Santa Maria, foi onde toda a história da Paleontologia da Paleorrota começou. A própria cidade esta sob um grande depósito de fósseis. A cidade tem muitos hotéis, shoppings centers e restaurantes.

Mais 40 km de viagem, e chegamos até São Pedro do Sul, onde esta o Museu Paleontológico e Arqueológico Walter Ilha. Mais 40 km e chegamos até a cidade de Mata, onde está o Museu Padre Daniel Cargnin. Aqui há muita madeira petrificada que são encontradas por toda a cidade. Em Mata termina nossa viagem.

Nos dias 21 e 22 de maio de 2011, foi realizado o primeiro dia da Paleorrota, onde os museus de paleontologia da Grande Porto Alegre, Candelária, Santa Maria, São Pedro do Sul e Mata, abriram suas portas para a visita de turistas. O dia da Paleorrota deverá ocorrer todo ano no mês de maio durante a semana nacional do museu.

De Porto Alegre até Mata, são aproximadamente 400 Kms. É melhor percorrer a Paleorrota de automóvel. Se preferir vá de ônibus até Santa Maria.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Paleorrota

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA "INVERNADA DOS NEGROS"

A exposição integrou a série de mostras organizada pelo Floripa na Foto
e mesmo após o evento permanece no espaço expositivo no hall da Biblioteca Pública de Santa Catarina Rua Tenente Silveira, 343 – Centro - Florianópolis - SC

período: 25/10 a 05/11 de 2011


Invernada dos Negros – linha histórica

Um episódio que entrou para a história de Campos Novos foi o legado de um senhor de escravos que deu origem à localidade conhecida como Invernada dos Negros, hoje também denominada Corredeira. A pesquisadora Enedi Rosa, com base em documentos de cartório, reconstituiu a história desse núcleo de etnia negra (Anais do VI, VII e VIII Encontro Catarinense de Arquivos – Blumenau / Florianópolis / Jaraguá do Sul: 1994/96/98).

Em testamento de 12 de abril de 1876, o fazendeiro Matheus José de Souza e Oliveira, casado com Pureza Emilia da Silva, com quem não teve filho algum, conforme declarou, deu liberdade a seus escravos e deixou-lhes, quando viesse a falecer, a sua Terça – segundo o direito da época, a Terça era terça parte da herança de que o testador podia dispor livremente – "a qual lhes será dada em campos e terras lavradias dentro da Envernada".

Os escravos alforriados por Matheus José de Souza e Oliveira, antes da data do testamento, eram três: Margarida, Damazia e Joaquim. Outros oito continuavam sendo escravos de sua esposa Pureza até que esta quisesse ou até a sua morte. Eram eles: Manoel, Jeremias, Pedro, Salvador, Innocencia, Francisco, Josepha e Domingos. Destes últimos, apenas Manoel deixou descendentes.

Entre as cláusulas de dação, Matheus impunha uma condição: esses terrenos "eles nunca por si nem por seus descendentes poderão vender, hipotecar, ou alhear por forma alguma (...), visto como eles e seus descendentes são apenas usufrutuários, e assim irá passando de pais para filhos, por morte daqueles que forem falecendo". O motivo dessa disposição parece evidente: o de assegurar que a doação feita ficará para sempre na posse dos beneficiários do testamento, como se o senhor, mesmo depois da morte, continuasse zelando pela segurança deles. Por outro lado, essa espécie de propriedade coletiva, em que o mais importante era o uso e não a posse, tem características de direito tribal. Se for assim, era uma forma de domínio territorial coerente com a cultura do negro africano. Tratava-se de uma extensa área de quase 8 mil hectares. Para se ter uma idéia mais concreta de sua dimensão, basta imaginar que ela poderia ser dividida em 400 lotes, tomando-se como módulo um lote familiar de 20 hectares.

Esse tipo de dação parece não ter sido raridade no período da escravatura no sul do Brasil. Ilka Boaventura Leite (2002) – que conheceu também a Invernada dos Negros – mostra um caso semelhante ocorrido no Rio Grande do Sul, na localidade de Mostardas, no ano de 1824. Em seu testamento, Dona Quitéria Pereira do Nascimento, viúva e sem filhos, deixou expresso o seguinte: "Declaro que por meu falecimento deixo na mencionada Fazenda dos Barros Vermelhos a todos os meus escravos, que deixo libertos, a extensão de terreno que parte do Capão do Retovado até a Lagoa que divide o capão denominado de Casca, de costa a costa..." A mesma autora enumera outros casos semelhantes de dação de terras aos escravos, entre 1815 e 1830, o que certamente deve ser objeto de atenção no estudo das relações entre senhor e escravo no Brasil.

Dona Quitéria estabeleceu igualmente uma cláusula restritiva em seu legado, que praticamente repete a do fazendeiro de Campos Novos: "Nenhum deles poderá vender, nem dispor um só palmo de tal terreno; antes irá passando de um a outro como herança para trabalharem e terem do que sobreviverem".

No caso de Campos Novos, na Invernada dos Negros, a vontade do testador acabaria por se tornar letra morta. Em 1928 – ou seja, cerca de 50 anos depois de firmado o testamento de Matheus José de Souza e Oliveira – os descendentes dos antigos legatários ingressaram na Comarca de Campos Novos com Ação de Divisão do Imóvel Invernada dos Negros, impetrada pelo advogado Henrique Rupp Júnior, com base no direito de usucapião. Em 1940, por falta de contestação (quem poderia contestar eram os próprios demandantes) foi realizada a divisão da propriedade.

Assim, a área total foi dividida em 33 quinhões. Destes, 32 quinhões foram repartidos entre 32 filhos e netos de antigos legatários, cada um deles recebendo 124,8 hectares. O último quinhão, com 3.993,6 hectares, ou seja, 50 por cento do total da área legada aos ex-escravos, coube ao advogado Henrique Rupp Júnior, a título de honorários e de despesas processuais. A época em que se concluiu a ação judicial coincidiu com a fase de exploração da madeira nessa região. Muitos dos herdeiros venderam suas terras para madeireiras e migraram. Poucos descendentes dos primitivos povoadores permaneceram no lugar. A sede de Corredeira tem algumas casas, a capela de Nossa Senhora Aparecida e uma escola. À pequena distância está o cemitério, onde estão enterrados os personagens iniciais dessa história.
http://www.invernadadosnegros.com.br/linha_historica.html

(link: www.biblioteca.sc.gov.br)
(link: www.floripanafoto.com)

17a. Mostra de Dança Tríade de Itajaí

É neste sábado, dia 26 de novembro, que acontecerá a 17a. Mostra de Dança Tríade, no Teatro Municipal de Itajaí, a partir das 19h, evento promovido pela Tríade Cia. de Dança de Rua.
Nesta noite, além das coreografias premiadas do grupo Tríade, já temos confirmadas as presenças de vários grupos renomados da cidade e região, como seguem:
Grupo K´Dance (Itajaí/SC), Grupo Evidência (Navegantes/SC), Grupo Kaiorra (Camboriú/SC), Duo Little Boy e Brown (Itajaí/SC), Grupo da Univali (Itajaí/SC), Grupo de Dança Athitude (Creche Divino Espírito Santo), além dos NEC Dilzelena e NEC Jaci Dias Ramos (SME de Itajaí).

17a. Mostra de Dança Tríade
Data: 26/11/2011 - Horário: 19h - Local: Teatro Municipal de Itajaí
Ingresso: R$ 16,00 ou R$ 8,00 + 1 litro de leite longa vida.

Maiores Informações: Paulo Gelinsky (47) 8402-8865 – coreógrafo.
Assessoria de Imprensa - Gizelle C. P. Gelinsky SC 01065 JP
Phone....: +55 47 8409-2658
E-mail...: triade@triadeciadedancaderua.com.br
Home Page: www.triadeciadedancaderua.com.br
Facebook: Triade Cia de (Tríade Dança de Rua)
Twitter...: @ciatriade

Samba na Terça no Coisa de Maria em Fpolis

Coisas de Maria João: agenda 22 a 29 de novembro

22 e 29 de novembro : Samba na Terça

Samba na Terça é mais um pretexto para reunir amigos e admiradores da boa música em um clima de descontração e alegria no anoitecer em Santo Antonio de Lisboa.
Terças 22 e 29 de novembro estarão sob o comando de Haini Wahlheim no violão e voz, acompanhado pelo contrabaixista Jorge Lacerda, sempre executando um repertório de música brasileira da melhor qualidade, além de receber convidados eventuais que só fazem animar e abrilhantar o espaço com suas canjas inusitadas, tanto instrumental como belas canções que acompanham este movimento musical.

22 e 29 de novembro, 20h
R$10,00
-------------------------------------------------------------
Quinta , 24 de novembro: SHOW: Jazz o Resto êh Bossa!

Jazz e bossa com Paulo Davi Trio e convidados
24 de novembro, quinta
21h30
R$10,00
--------------------------------------------------------------
Sexta, 25 de Novembro: RAIZ DE CANELA : Projeto “Samba Novo”

A idéia de formar o grupo de samba Raiz de Canela parte do ressurgimento deste gênero musical no cenário musical brasileiro. Nos bares, shows, espaços culturais e casas noturnas em geral, o samba reapareceu com força, executado por uma infinidade de grupos musicais e também através do som mecânico dos DJs.
Os músicos que compõem o Raiz de Canela atuam na noite de Florianópolis há mais de 10 anos, juntos ou separadamente, em trabalhos individuais. Neste período se apresentaram em uma grande variedade de locais, bares, restaurantes, cafés, espaços de arte e cultura, apresentando um repertório de Música Popular Brasileira voltado para as raízes do nosso cancioneiro.
Nessa ocasião estarão se apresentando em trio Rossano (voz e violão), Beto Bongô (percussão e vocal), Marco Aurélio (trombone).
Sexta, 25 de novembro,
21h30
R$10,00
----------------------------------------

Sábado, 26 de novembro : Choro com Wagner Segura e Rogério Piva
Coisas de Maria João recebe dois grandes representantes do Choro em Florianópolis: Wagner Segura , no violão 7 cordas e o bandolinista (10 cordas) Rogério Piva .
No repertório, Música Instrumental Brasileira com destaque para choros e sambas. Completando, composições do Cd Nova Manhã, de Wagner, que estará a venda no local.

26 de novembro de 2011
21h30
R$10,00
------------------------------------------
Domingo, 27 de novembro : Fim de tarde com show TEM BOSSA NO SAMBA

A cantora Iara Germer, juntamente com o pianista Sito Lozzi e o baterista Gilnei Silveira, apresentam o show "TEM BOSSA NO SAMBA".
Duas vertentes da musicalidade brasileira, a bossa e o samba, nas canções de João Donato, Vinícius de Moraes, Baden Powell, Toquinho,
Tom Jobim, Paulo Cesar Pinheiro, João Bosco, Cartola, Nelson Cavaquinho, Dolores Duran, Edu Lobo, que farão da noite um clássico passeio pela MPB.

Happy Hour..Domingo ,27 de novembro
18h30
R$10

Coisas de Maria João Risotteria, Café, Moda, Espaço de Arte e Cultura
Tel: 48 3338 1937
Rua Cônego Serpa, 57 ( RUA DA IGREJA, CENTRINHO HISTÓRICO)
Santo Antonio de Lisboa, Florianópolis

6 SEMANA FILOSOFIA DA UFSC

Gestão e planejamento museológico em Lages

oficina de capacitação museológica
Evento: Gestão e planejamento museológico
Data: 05 a 07 de dezembro de 2011 (2ª à 4ª feira)
Local: UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE - UNIPLAC
Campus Lages - Av. Castelo branco, 170 Bairro Universitário
Fone (49) 3251 1022 Lages/SC

Informações:Sistema Estadual de Museus - SEM/SC - oficinasemsc@fcc.sc.gov.br (48) 3953-2382 - 3953-2332 - 3953-2379

Museu Histórico Thiago de Castro
Rua Hercílio Luz, s/n - Centro (Esquina Rua Benjamin Constant)Lages/SC
Fone: (49) 3222-7603 | 9965-6909 - mhtc_lages@yahoo.com.br

- Mais informações: Acesse o site http://www.fcc.sc.gov.br/patrimoniocultural

CINE E DIREITOS HUMANOS

Exibição e debate sobre o vídeo

pelo deserto americano até a cidade de Paris, cumprindo assim o ideal de Pasárgada acalentado pelos personagens do filme: a busca de um lugar de trégua e felicidade possível. Durante o trajeto, Letícia gravaria pequenas cenas, colhidas com o telefone celular para depois editá-las em contraponto à sequência do filme quando o telefone é ao mesmo tempo aparelho de aproximação e distância entre Jane e Travis. Visitando Letícia no outono chuvoso de Florianópolis, comentei a possibilidade de utilizarmos o auditório da Fundação como espaço adequado para a exibição do seu trabalho, já que no filme de Wenders o paralelo da sequência do peep show com o público da sala de cinema é evidente. Da mesma forma que o personagem masculino, praticamos o voyeurismo ao mergulharmos, protegidos pelo anonimato da escuridão, num plano repleto de luzes onde a vida se teatraliza. O ambiente de uma sala de projeção é insubstituível para que este espelhamento possa ser provocado. Letícia aceitou, animada, o desafio”.

(Trecho do texto do curador Jailton Moreira no catálogo da mostra Convivências. Dez anos da Bolsa Iberê Camargo, de 12 de novembro de 2010 a 20 de fevereiro de 2011 em Porto Alegre).

Sobre a artista:
Leticia Cardoso é graduada em Artes Plásticas pela Universidade do Estado de Santa Catarina em 2001 e mestre em Poéticas Visuais no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2005. Atualmente, participa do 32º Panorama da Arte Brasileira do MAM-SP. Em 2010, participou da mostra Convivência na Fundação Iberê Camargo, de Porto Alegre, Em 2009 recebeu a Bolsa de Residência para Artistas pela Fundação Iberê Camargo no Blantom Museum of Arts na Universidade do Texas em Austin, no Texas. Em 2008, ganhou o Prêmio FUNCINE de Produção Audiovisual Armando Carreirão, de Florianópolis, Bolsa Residência de Artista para o SPA das Artes em Recife e selecionada pelo Projeto de Intervenção Schawnke, de Joinville. Em 2002, recebeu Menção Especial no 59º Salão Paranaense do MAC-PR, participou do Salão Schwanke de Arte Contemporânea, de Jaraguá do Sul. Em 2001, foi contemplada pelo Projeto Rumos Itaú Cultual Artes Visuais 2001/2003, São Paulo, e com o primeiro Prêmio Vº Salão Novos Valores nas Artes Plásticas-Pintura, pela Fundação Franklin Cascaes, de Florianópolis. Coordenou de 2007 a 2009, o Arquipélago com Fabiana Wielewicki.

Sala de exposições temporárias do Museu Victor Meirelles
24 de novembro de 2011, às 19h

O Projeto Agenda Cultural do Museu Victor Meirelles exibe e propõe a discussão, no dia 24 de novembro, quinta-feira, às 19h, do vídeo resultante da produção de Leticia Cardoso para a Bolsa Iberê Camargo de residência para artistas, realizada no Blanton Museum of Art University of Texas/Austin, de outubro a dezembro de 2009.

O filme Austin <-> Paris: um ruído entre Jane e Travis, de Leticia Cardoso, foi editado por Yannet Briggler, com assistência técnica de Pedro MC e performances de André França e Leslie Moody de Castro. A duração é de 23 minutos e logo após a exibição, será realizado um debate entre a artista e o público.

A entrada é gratuita, respeitando a capacidade máxima da sala de 30 pessoas.

Comentário do curador Jailton Moreira sobre o filme

“Paris/Texas/Austin/Florianópolis/Porto Alegre

Participei como júri da última edição da Bolsa Iberê Camargo que contemplou o projeto de Letícia Cardoso Austin <-> Paris: um ruído entre Jane e Travis com uma residência no Blantom Museum. Inspirada no filme de Wim Wenders – Paris, Texas – ela propôs fazer uma viagem
O quê: Exibição e debate do filme Austin <-> Paris: um ruído entre Jane e Travis, de Leticia Cardoso,
Onde: Museu Victor Meirelles
Quando: 24 de novembro de 2011, às 19h.
Quanto: Gratuito.

Mais informações: Museu Victor Meirelles
Rua Victor Meirelles, 59 - Centro - Florianópolis (48) 3222 0692
http://museuvictormeirelles.blogspot.com / mvm.ac@museus.gov.br

Projeto 12:30 – DAC: SECARTE: UFSC

HOJE É DIA DE HABITANTES DE ZION NO PROJETO 12:30
Dia 24/11, quinta-feira, na Concha Acústica da UFSC. Gratuito e aberto à comunidade.

A banda de reggae Habitantes de Zion se apresenta no Projeto 12:30 nesta quinta-feira, 24/11, às 12h30 na Concha Acústica. O espetáculo é gratuito e aberto à comunidade e faz parte da programação da 4ª Semana Ousada de Artes.

Maurício Zion, o 'Mister Roots', com alguns companheiros de filosofia, trouxe para o ritmo quente do reggae as suas composições - letras inspiradas nos princípios de Amor, Liberdade e Paz, bandeiras da Nova Era. Foi o encaixe perfeito, pois o reggae, originário da Jamaica, nasceu do anseio da juventude em libertar-se do jugo do preconceito e das barreiras sociais e econômicas, tornando-se, mais tarde, o mais forte louvor de Fé daquele povo em um Deus Libertador.

Com um som sem regras e um ritmo contagiante, misturado a letras de mensagens claras e reflexivas, os Habitantes de Zion vêm conquistando público e expressão. Em sua trajetória musical, a banda já dividiu palco com artistas de projeção, como os grupos Jah Live (DF), Mato Seco (SP), Namastê (PR) e as internacionais Israel Vibration (Jamaica), Groundation (Califórnia – EUA) e Midnite (St. Croix – Ilhas Virgens); além dos cantores Ras Bernardo (SP), Professor Dionísio (RS), Dada Yute (SP), Fauzi Beydoun (MA), entre outros. Tudo sempre com muita competência e profissionalismo.
Fiéis ao seu compromisso em propagar mensagens positivas e músicas de conteúdo e qualidade, a banda conta hoje com o respeito e admiração de grandes nomes da Música Brasileira e da Reggae Music.Mais informações como músicas, fotos, vídeos sobre a banda são encontrados no link www.myspace.com/habitantesdezion

Integrantes
Mister Roots – vocal
Meg Roots e Bia Lits – backing vocal
Davizerah – baixo
Jean Zion – bateria
Rodrigo Mustafa – teclados
Vinicius – percussão
Ras Keko – guitarra base
Bruno HDZ – guitarra solo

Projeto 12:30

O Projeto 12:30 é realizado pelo Departamento Artístico Cultural (DAC), vinculado à Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte) da UFSC e apresenta semanalmente atrações de cunho cultural, grupos de música, dança e teatro, nas versões ao ar livre na Concha Acústica e na versão acústico, quinzenalmente, no Teatro da UFSC.

Criado em 1986, foi a partir de 1993 que os shows passaram a ser realizados semanalmente na praça central do campus, a Praça da Cidadania, onde estão a Concha Acústica da UFSC e o Varandão do CCE. A cada ano, em cerca de 60 shows, mais de 300 artistas se apresentam para um público estimado em 20 mil pessoas.

Inscrições Abertas

Artistas interessados em se apresentar no projeto dentro do campus da UFSC devem entrar em contato com o DAC através dos telefones (48) 3721-9348 / 3721-9447 ou por e-mail, enviando mensagem para projeto1230@dac.ufsc.br. Mais informações, sobre como participar do projeto, estão disponíveis no site www.dac.ufsc.br. As inscrições estão abertas.

Semana Ousada

Organizada pela Secretaria de Cultura e Arte da universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e pela Coordenadoria de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Comunidade da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), a Semana Ousada de Artes 2011 vai apresentar a universidade como fonte de ousadia e sensibilidade poética, afirmando a cultura ao lado do ensino, da pesquisa e da extensão como unidades indissociáveis do conhecimento. A oferta de oficinas gratuitas, que democratizam o acesso ao saber nas mais diversas linguagens, vai promover o fazer artístico, além de construir nas cidades do circuito um ambiente propício à fruição e à criação da arte.

O Projeto 12:30, em parceria com a Semana Ousada, será realizado diariamente de terça a sexta-feira (22 até 25/11), sempre às 12:30, na Concha Acústica ou no Varandão do CCE. Nesta semana, além da Habitantes de Zion, que toca hoje, já se apresentaram o Trio Karibu e a banda SatisFire. Amanhã a atração será a banda Somato.


SERVIÇO:
O QUÊ: Apresentação musical com a banda Habitantes de Zion.
QUANDO: Dia 24 de novembro de 2011, quinta-feira, às 12h30
ONDE: Projeto 12:30 na Concha Acústica da UFSC, Praça da Cidadania, Campus Universitário, Florianópolis-SC.
QUANTO: Gratuito e aberto à comunidade.
CONTATO: habitantesdezion@gmail.com (48) 3233-0791.
Myspace: www.myspace.com/habitantesdezion.

Fonte: Kadu Reis – Acadêmico de Jornalismo, Assessoria de Imprensa do Projeto 12:30, DAC: SECARTE: UFSC, com informações e foto do grupo.

3º Seminário “A mulher na Música

O “3º Seminário A Mulher na Música“, organizado pelo Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, acontecerá no dia 26 de novembro e vai discutir a participação das mulheres no cenário musical brasileiro. Saúde ocupacional, questões trabalhistas, legislação e políticas públicas específicas serão alguns dos temas abordados.

O objetivo do evento é mapear as demandas das musicistas e pensar políticas públicas e ações específicas. A ideia é que surjam mais projetos de lei que contemplem a questão do gênero, como o Projeto de Lei nº. 136/2011, do Senado, referente à igualdade no trabalho, que tramita atualmente no Congresso. Para falar sobre o tema contaremos com a presença da ilustre Deputada Inês Pandeló, Presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, da ALERJ (CDDM).

Destaque para a mesa sobre a “O Corpo na Música”, que discutirá como o trabalho final do músico e seu desempenho estão diretamente relacionados à prevenção, que pode evitar uma série de doenças ocupacionais que costumam afligir a categoria.

A novidade dessa edição é o concurso de artigos acadêmicos produzidos por universitários de todo Estado: o I Prêmio SindMusi A Mulher na Música. Os artigos tiveram como temas centrais a mulher e a música, mas também dialogaram com, pelo menos, dois outros eixos temáticos, como violência, juventude, educação, trabalho, cultura, cotidiano, história, mídia e saúde. Os vencedores do prêmio irão apresentar seus trabalhos, com mediação de Santuza Cambraia Naves, do Departamento de Sociologia e Política da PUC-Rio.

A mesa que encerrará o Seminário será sobre Rosinha de Valença, violonista e compositora brasileira que faleceu em 2004 e é considerada uma importante figura da MPB e da Bossa Nova, e será a homenageada dessa 3ª edição. Maria Haro e Vera de Andrade, em um duo de violões, executarão algumas peças de Rosinha. A ideia é que seja um misto de conversa e show, onde pesquisadores, familiares e convidados que tiveram contato com a célebre compositora, levantem a trajetória de Rosinha de Valença, esse ícone da nossa da música, que marcou sua trajetória com uma linguagem violonística ímpar.

I Prêmio SindMusi de Artigos Acadêmicos

Em sua primeira edição, o objetivo do Prêmio SindMusi de artigos acadêmicos é fomentar a discussão em torno do papel da mulher no cenário musical brasileiro e estimular a produção acadêmica em torno da temática musical. Universitários de todo o Estado puderam participar do concurso, que ofereceu prêmios em dinheiro para os autores dos três melhores trabalhos: R$ 1.500,00, para o 1º lugar; R$ 1.000,00, para o 2º colocado; e R$ 700,00, para o 3º melhor artigo.

- Queremos incentivar a discussão a respeito do gênero na música sob diferentes prismas. Por essa razão, foram aceitos trabalhos não só de alunos de cursos de música, mas de qualquer graduação – explicou Luciana Requião, da Comissão Organizadora. A banca que analisou os trabalhos foi composta por Santuza Cambraia Naves (Departamento de Sociologia e Política da PUC-Rio), José Nunes (Instituto Villa-Lobos da Uni-Rio), e a socióloga Edinha Diniz, autora do livro “Chiquinha Gonzaga: uma história de vida”.

Dia 26/11

9h – Credenciamento.

9h45 – Abertura do ciclo de debates com Déborah Cheyne, presidente do Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de Janeiro.

10h – “Entre Canteiros e Sonhos – cantares femininos na Fortaleza dos anos 1960/70″, com Mary Pimentel, autora do livro “Terral dos Sonhos”. A socióloga discutirá a participação de mulheres (cantoras e/ou compositoras) no interior do movimento ocorrido em Fortaleza nas décadas de 1960/70 e passou a ser conhecido como “Pessoal do Ceará”, revelando nomes como Fagner, Belchior e Ednardo, assim como de algumas jovens cantoras e/ou compositoras, como Amelinha, Tânia Araújo e Teti, o grupo vocal “Garotas 70″, entre outros. A ideia é discutir os significados de “ser cantora” naquele contexto, quando, no plano mundial, se vivia uma revolução cultural e comportamental, em que as mulheres conquistavam novos espaços, mas que, contraditoriamente, no plano local, sofriam pressões de uma sociedade conservadora, agravadas pelos limites políticos e civis impostos por uma ditadura militar, instaurada no país em 1964.

11h – “Políticas Públicas de Gênero” – Deputada Inês Pandeló, Presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, da ALERJ (CDDM),integrante da Secretaria da Frente Parlamentar pela democratização da Comunicação e Cultura, professora, jornalista e pós-graduada em História Social. Foi vereadora de Barra Mansa entre 1993 a 1996, sendo a única mulher nesta legislatura na Câmara.

Ganhou os prêmios de Prefeita Criança, Gestão educacional Anísio Teixeira e foi escolhida como um exemplo de gestão democrática pelo PGU – Programa de Gestão Urbana da ONU – Organização das Nações Unidas. Em 2002, Inês assumiu seu primeiro mandato como Deputada Estadual na Alerj com foco na defesa da mulher, cargo que ocupa atualmente.

11h40 – “O Corpo na Música”, com o fisioterapeuta Edmur Paranhos,formado pelo Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação (IBMR) e mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Edmur faz parte de um grupo de pesquisa em Saúde do Músico, com professores músicos renomados da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uni Rio).

12h40 às 14h- Almoço.

14h – I Prêmio SindMusi A Mulher na Música – Mediadora Santuza Cambraia Naves (Departamento de Sociologia e Política da PUC-Rio) e apresentação dos artigos vencedores do Prêmio. José Jarbas apresentando o trabalho “O Violão Feminino na República Velha – um recorte social entre 1920 e 1930″. Iraguaci Santos, com o artigo “Tias Baianas: a importância da mulher negra na formação cultural carioca”, e Renata Emily Fonseca Rodrigues, discutindo a temática “Mulher – Um produto transfigurado e renovado na MPB”.
15h30 – CulturaPrev - A importância do Plano de Previdência Complementar para o músico.

15h50 às 17h – Bate papo sobre Rosinha de Valença, com a participação da compositora e violonista, Celia Vaz (mediadora), e apresentação do duo de Violão, formado por Maria Haro e Vera de Andrade.

Data: 26/11 - Horário: 9h às 17h - Local: Sindicato dos Jornalistas
End: Rua Evaristo da Veiga, 16/17º andar – centro – RJ

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

MOSTRA DE LIVROS ANTIGOS E RAROS DE ESCRITORES NEGROS DO SÉCULO XIX E XX

A Fundação Catarinense de Cultura, por meio do Museu Histórico de Santa Catarina – Palácio Cruz e Sousa, apoia o 1º Encontro Afro-Literário de Florianópolis de hoje (17/11) a 26 de novembro. A promoção é do Instituo Enrea, fundada pelo folclorista catarinense Franklin Cascaes.
A programação traz uma mostra de livros raros de autores negros catarinenses dos séculos XIX e XX no Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Sousa. Ao todo estão expostas cinquenta obras antigas e raras, produzidas por Ildefonso Juvenal da Silva, Trajano Margarida, Antonieta de Barros, João Rosa Júnior, João da Cruz e Sousa, Demerval Cordeiro e pela entidade Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos.
No dia 24, às 9h, data que marca o nascimento de Cruz e Sousa, está previsto uma palestra e lançamento de livro de Maurício Pestana, editor da Revista paulista Raça Brasil.

Visitação: 17/11/11 a 26/12/11, de terça a sexta, das 10h às 18h
sábado e domingo, das 10h às 16h.

MUSEU HISTÓRICO DE SANTA CATARINA
Palácio Cruz e Sousa - Praça XV de Novembro, 227 - Centro - 88010-400 - Florianópolis - SC - Fone:(48)3028-8091

BOTECO DA ILHA NO FESTIVAL BAR EM BAR

Promoção gastronômica da Abrasel ganha show de humor do grupo
Comida dos Astros dias 15, no Centro, e 16, na Lagoa da Conceição

A rede de bares Boteco da Ilha Chopperia e Bar está participando pela quarta vez do Festival Bar em Bar, a maior promoção simultânea do gênero no País, realizada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). Esta é a sexta edição do evento, que começou no último dia 3 e prossegue até 4 de dezembro, com a adesão de 25casas somente na região da Grande Florianópolis.
Sob o slogan “Em 2011, o Bar em Bar é 10”, o cliente pode apreciar um tira-gosto elaborado exclusivamente para a ocasião, em pelo menos dois dias da semana, pagando apenas R$ 10,00. O preço fixo para todos os pratos inscritos é uma das novidades deste ano, pois, anteriormente, cada bar ou restaurante estipulava um valor promocional diferenciado. Além disso, a porção é acompanhada de um drinque grátis, preparado com vodka Eristoff ou rum Bacardi, marcas que patrocinam o festival.
Segundo Luiz Bahia, sócio da rede de bares, “o festival põe o segmento em evidência, dando bastante visibilidade a essa modalidade de comércio na entrada da temporada. As experiências anteriores provam que o movimento nos bares da cidade aumenta consideravelmente neste período. Passamos a ser considerados, efetivamente, como opção gastronômica e não apenas de entretenimento”. A funcionária Alessandra Morais complementa: “a iniciativa faz com que as pessoas que ainda não frequentam o bar conheçam o nosso cardápio, apreciem a nossa comida e se tornem nossos clientes”.
O Boteco da Ilha, este ano, apresenta ofertas diferentes em duas de suas unidades. Na Avenida Beira-Mar Norte, o chapeado de camarão, feito com camarões descascados, hortelã, cebola, salsinha, tomate seco e azeite de dendê, vem junto com molho típico da casa e torradinhas. A receita dos chefs Miro e Yara serve de uma a duas pessoas e está disponível pelo valor promocional às segundas e terças-feiras, das 17h às 2h. No restante da semana, o preço normal é de R$ 22,00.
Já para a filial da Lagoa da Conceição, os chefs João Lucas e Eder criaram a croqueta de frango, massa tipo bechamel de frango empanada com farinha de rosca, que também acompanha molho especial. Ideal para duas pessoas, pode ser pedida na promoção às quartas e quintas-feiras, das 18h às 2h. Nos demais dias, custa R$ 16,00.
Sempre que o cliente escolher uma destas opções nos dias estipulados para o evento, ele ganha uma caipiroska de limão, que também pode ser preparada com rum. Depois que o festival terminar, os pratos continuarão no cardápio, mas com os preços normais.


Comida dos Astros
Para incrementar ainda mais o Festival Bar em Bar 2011, está percorrendo as casas participantes o show do grupo Comida dos Astros, coordenado pelo ator Rony Cácio. O espetáculo teatral-musical-gastronômico surgiu em 1998 na noite paulistana para interagir com o público por meio do humor refinado e inteligente. Os atores-cantores interpretam, dançam, cantam e fazem paródias de sucessos musicais nacionais e internacionais em apresentações contagiantes.
Nada da cozinha escapa de suas piadas, servindo de elemento para dar vida a personagens como Caetano Meloso e Mingau Costa, Raul Ameixas e Tim Magra, Aipo Jackson, Magronna, Quibeatles, Leite Gaga, Justin Bife e muitos outros. A agenda no Boteco da Ilha será dias 15/11, na unidade da Beira-Mar, e 16/11, na Lagoa da Conceição, sempre às 21h. Confira algumas participações na TV:

*http://www.youtube.com/watch?v=PZVfx8orEjw&feature=player_embedded (“Programa do Jô”)
*http://www.youtube.com/watch?v=RP_Aym4tRIE&feature=player_embedded (Comédia Canibal)
*http://www.youtube.com/watch?v=mV_eXT3TTGI&feature=relmfu (“Bem Família”)
*http://www.youtube.com/watch?v=pu66HacMwxA&feature=related (vídeo promocional)

Boteco da Ilha Chopperia e Bar
*Beira-Mar: Avenida Jornalista Rubens de Arruda Ramos, n° 2.100, Centro, Florianópolis. (48) 3333-5457/9635-0006 – www.botecodailha.com.br
*Lagoa: Avenida Afonso Delambert Neto, n° 714, Lagoa da Conceição, Florianópolis. (48) 3236-0098/9635-0006 – www.botecodailha.com.br


Marcos Reichardt Cardoso (SC 0461 JP)
jornalismo - assessoria de imprensa
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
(55 48) 9972-0991 marcosreichardtcardoso@yahoo.com.br

MARATONA CULTURAL DE FLORIANÓPOLIS

Florianópolis será o palco para 500 artistas durante os dias 25, 26 e 27 de novembro com a chegada da Maratona Cultural. Um evento inédito que valoriza a cultura e os artistas locais, além da participação de convidados de todo o País. Com muitas plataformas de manifestação artística, a Maratona Cultural reúne música, dança, circo, teatro, artes plásticas, cinema, mapping, literatura e muito mais. Serão 3 dias de programação distribuída em diversos pontos da cidade.
O Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Sousa, administrado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC), também participará da programação da Maratona Cultural de Florianópolis. O evento, que ocorre entre os dias 25 e 27 de novembro, terá apresentações culturais espalhadas por 23 pontos da Capital, com atrações locais e nacionais, tudo gratuito.

Confira a programação no Museu Histórico de Santa Catarina:

Dia 26/11 (sábado):

- Das 11h às 17h: I Encontro Afro-Literário de Florianópolis - Mostra de livros antigos e raros de escritores negros do século XIX e XX

- Das 11h às 17h: Exposição Infanto-Juvenil O Aviador e o Pescador

- Às 11h30 e às 15h: Momentos no Museu
Jabuti Teatro
Direção: Revero
Teatro - Contação de História - 30 min
Classificação: Livre

- Às 18h: Evocações
Sobre a obra de Cruz e Souza
Direção: Andrea Ojeda
Teatro - Drama / Poesia - 55 min
Classificação: Livre

- Às 19h: Ruínas
Coreografia/Direção/Bailarinos: Maria Carolina e Adilson Machado
Dança - Contemporâneo - 15 min.
Classificação: Livre

- ÀS 19h30: Luisa - Cia Experimentus
Direção: Barbara Biscaro
Teatro - Drama - 40 min
Classificação: Livre

- Às 20h: Sessão Curtas no Museu
Alva Paixão - Maria Emília de Azevedo - FIC/24’
Ângelo, o coveiro - Renato Turnes - FIC/20’
Orienta me - Loli Menezes - FIC/8’
Tambor de Trovão - Sarah Ferreira - VIDEODANÇA/9’
8 tempos - Bianca Scliar - VIDEODANÇA/5’
Sobre desejo - Roberto Freitas - VIDEODANCA/8’
Noturna - Felipe Vernizzi - FIC/17’
Pandemonium - Yannet Briggiler - ANIMA/10’
Paisagem Urbana - Pedro MC - DOC/16'

Dia 27/11 (domingo):

- Das 11h às 17h: I Encontro Afro-Literário de Florianópolis - Mostra de livros antigos e raros de escritores negors do século XIX e XX

- Das 11h às 17h: Exposição Infanto-Juvenil O Aviador e o Pescador

- Às 14h e às 15h: Momentos no Museu
Jabuti Teatro
Direção: Revero
Teatro - Contação de História - 30 min
Classificação: Livre

- Às 15h: Piano no Museu com Marcelo Muniz

- Às 15h40min: Piano no Museu com Luiz Gustavo Zago

- Às 16h20min: Piano no Museu com Diogo de Haro

- Às 17h: Piano no Museu com Alexandre Dietrich

- Às 18h: Piano no Museu com Pablo Rossi e Juan Rossi

A programação completa está disponível no site oficial do evento: http://www.maratonacultural.com

17 de novembro: show com Nelson Viana Trio no Projeto Café Pequeno

Nelson Viana é multi-instrumentista (toca guitarra, baixo, bateria, violão, teclado, saxofone e percussão), compositor, cantor e produtor musical. Com 22 anos de carreira, Nelson Viana vem atuando na área musical, teatral, na produção de CDS, trilhas para espetáculos de teatro, jingles e campanhas publicitárias. Como produtor musical já produziu mais de 20 CDS nas cidades de Florianópolis, São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador. Desde 1988 vem tocando em bandas como: Freqüência Urbana, Realce, Black out, Bandit, Groove Ltda, Redfones, Lua Gorayeb. É o fundador da banda Bandit. Já participou como ator e músico em peças de teatro de Osvaldo Montenegro (espetáculo “Lendas da Ilha”), e da montagem “Negros em Desterro”, como diretor musical e ator.
Trabalha com várias vertentes musicais , entre elas VIZZUDAMASSA com repertório sucessos das décadas de 70, 80 e 90, nacionais e internacionais, e músicas marcantes atuais, além de composições próprias e com NELSON VIANA SAMBA SOUL PROJECT,com leituras de clássicos do Samba-Rock e da MPB com levadas modernas e com muito Swing e um Groove, variantes do gênero, e também com músicas próprias.
http://www.myspace.com/nelsaoviana
Quinta, dia 17 de novembro, estará se apresentando em Trio pela primeira vez no Espaço Coisas de Maria João
21h30
R$10,00

18 de novembro: Tatiana Cobbett e Marcoliva

Com uma cênica performática, letras contundentes e belas melodias Tatiana Cobbett e Marcoliva apresentarão show no Projeto Café Pequeno no próximo dia 18 de Novembro no espaço Coisas de Maria João.
Com dois Cds gravados e lançados, Parceiros (2002) e Bendita Companhia ( 2009) e a canção Básica - blusinha branca ( do CD Parceiros) já alcançou destaque nas principais rádios do eixo RJ/SP na voz de Badi Assad e Aline Muniz, Tatiana e Marcoliva comemoram a grande fase do trabalho.Com o terceiro CD- Corte costura gravado, a ser lançado em 2012 mais motivos ainda para comemorar.
Rumam agora ao próximo CD "Sonora Parceria" , onde integram o grupo de 6 componentes ( Tatiana, Marcoliva, Larissa Galvão, Pedro Loch, Rafael Meksenas, Mateus Mira) e mais alguns ilustres convidados ( Alegre Corrêa, Guinha Ramires, Gabriel Vieira,Carol Miranda ). O Projeto financiado através da plataforma Catarse.me.com , brevemente estará em mãos dos colaboradores e público.
Há dez anos trabalhando com composições próprias, os parceiros Tatiana Cobbett e Marcoliva já percorreram diversas cidades brasileiras como São Paulo, capital e interior, Rio de Janeiro, Florianópolis e interior de SC, Belo Horizonte e interior de MG, algumas cidades do nordeste e outras tantas do sul, além de Buenos Aires e Montevidéu.
Com tantas composições ( já passaram de 300), várias delas registradas no livro Básica (Tatiana) e Dupla Poesia ( Marcoliva), além dos CDS, a dupla tem sempre a possibilidade de inovar e realizar um espetáculo diferente e único.
Ao lado do violonista cantor e compositor Marcoliva, Tatiana (que também é compositora e bailarina) leva para o palco o movimento intenso de seu corpo junto à velocidade em que se expõe, elevando suas canções de amor e protesto aos sentidos do público.
www.sonoraparceria.com.br/benditacompanhia
18 de novembro, sexta
21h30
R$10,00

No sábado, 19 de novembro o Espaço Coisas de Maria João receberá no Projeto Café Pequeno o Concerto instrumental com o vilonista Felipe Coelho (7 cordas), o vilolonista Guinha Ramires e o Percussionista Ubrother.

Café Pequeno é o projeto do Coisas de Maria João que propõe, numa programação noturna, shows acústicos intimistas para pequenos grupos com duração determinada.
O Espaço cria, então, um clima de "Teatro" com serviço e de restaurante e bar.
Café Pequeno tem lugares limitados , portanto é necessário chegar cedo para garantir seu lugar


Música Étnica e Brasileira Contemporânea estarão presentes numa belíssima noite de música instrumental com Grandes Artistas reconhecidos pela crítica e pelo público devido a sua enorme qualidade. vale conferir esse encontro inédito.

Felipe Coelho é violonista e compositor instrumental. Com 23 anos foi formado com mestrado em música nos Estados Unidos onde foi bolsista integral e professor assistente. Tocou nos Estados Unidos e Europa e hoje possui dois CDs de composições autorais lançados: "Raízes Trançadas" e "Cata-Vento". Em seus discos, as composições violonísticas são acompanhadas por arranjos de orquestra camerística e orquestra de cordas, também escritos por ele.
A apenas um ano e meio no Brasil, suas obras lançadas com patrocínio da lei de incentivo a cultura foram reconhecidas pelo premio de produção musical Elizabete Anderle, e pela mídia nacional através das revistas Guitar Player, Violão Pro, do programa Manhattan Connection entre outros. Recebeu elogios de grandes críticos como Guinga, Ulisses Rocha, André Mehmari, Chico Pinheiro além convites para festivais em 2010 como Floripa Instrumental e o Festival de Música Étnica de Curitiba. Ainda em 2010 realiza a turne nacional do seu disco Cata Vento, e em 2011, a turne estadual do mesmo assim como o lançamento do terceiro trabalho "Musadiversa" ao lado de Luiz Gustavo ZagoZago e Rafael Calegari, Mauro Boeghezan, Fred Malverde, entreoutros..
21h30
R$10,00

www.myspace.com/felipefcoelho
www.myspace.com/guinharamires
------------------------------------------------------------
20 novembro, Fim de Trade com “Bossa Sempre Nova” com Quarteto Jazz’n’Samba

No domingo a proposta musical do espaço é outra : música para alegrar o fim de tarde no centrinho Histórico de Santo Antonio de Lisboa e fechar a semana com chave de ouro embalando a alma e a semana por vir.
Nessa semana O Espaço Coisas de Maria João recebe o show “Bossa Sempre Nova” com o Quarteto Jazz’n’Samba.

Ao som de violão, saxofone, contrabaixo, bateria, piano e voz, o grupo relembra os momentos que mudaram o rumo da música brasileira. Inspirados nas décadas de 50 e 60, o QuartetoJazz'n'Samba busca referências nos clássicos da bossa nova para fazer sua música.
Desafinado, Garota de Ipanema e Samba de Verão são algumas das canções interpretadas pelos músicos Raísa Farias (piano e voz), Guga Paniz (saxofone e violão), Rafael Gonçalves (bateria) e Mário Coutinho (contrabaixo acústico).
O nome do grupo surgiu a partir da versão em inglês da música “Só Danço Samba” – “Jazz’n’Samba” –, composta por Vinícius de Moraes e Tom Jobim, gravada em 1963, que fala sobre o surgimento da música quemistura Jazz e Samba.
O Quarteto Jazz’n’Samba surgiu a partir da idéia de estudar a Bossa Nova enquanto gênero e movimento histórico cultural; inicialmente, era apenas um duo de piano e sax, composto por Raísa Farias e Guga Paniz ao qual foi acrescentado vocal feito pela própria pianista em um segundo momento. Posteriormente, o contrabaixista Mário Coutinho foi convidado a participar do trabalho.
O grupo permaneceu como um trio durante seu primeiro ano de formação, período durante o qual a maior parte da pesquisa sobre o gênero foi realizada. O trio a partir de então passou a contar com o uso do violão, executado também por Guga Paniz.
Na segunda metade de 2010 o grupo tornou-se um quarteto a partir da participação do bateirista Rafa Gonçalves.
Atualmente o Quarteto Jazz’n’Samba realiza apresentações do show “Bossa Sempre Nova” e está trabalhando composições próprias.

http://www.youtube.com/watch?v=XIYhK_aN4Do
20h
R$10,00